Entrevistas

[Série de Entrevistas] 10 perguntas para Viviane Mansi

Na série Praticando Endomarketing, além de trazer entrevistas com profissionais que trabalham com CE (Comunicação com Empregados) e Endo, também iremos entrevistar profissionais de renome no mercado e que são referências quando abordamos esses assuntos.

A entrevistada de hoje é a Viviane Regina Mansi, ela é Gerente Global de Branding e Comunicação Interna da Votorantim Cimentos.

Os temas abordados foram a Comunicação de Liderança, a Comunicação Interna da Votorantim Cimentos, gestão da CE e Responsabilidade Social Corporativa.

Anotem as dicas e depois nos contem como é a Comunicação com Empregados da empresa que você trabalha!

 1. Qual a importância da Comunicação de Liderança para as organizações nessa nova era onde os colaboradores estão cada vez mais exigentes e atentos no ambiente em que trabalham?

A comunicação dos gestores é importante para conectar os empregados com que importa para a empresa. Ela esclarece objetivos, visão da empresa, demanda de negócios ao mesmo tempo em que ouve as preocupações e as ideias dos empregados. Claro que ambas as coisas podem ser feitas por meio de canais formais de comunicação, mas não é a mesma coisa, pois não cria a mesma reciprocidade. A gente quer falar e ser ouvido, quer interagir, quer compartilhar o mesmo contexto. Por isso, a comunicação do dia a dia é tão importante, especialmente essa que é direta, sem qualquer filtro, feita pelas pessoas.

2. Como a área de Comunicação pode auxiliar os gestores na Comunicação de Liderança?

São muitas as oportunidades de atuação. Uma das mais importantes é conectar a liderança às coisas que importam na empresa. O gestor tem mais condição de ter uma conversa de valor com seu time se ele sabe o que acontece na empresa, sabe o que se espera dele e tem a mesma conversa de valor com o chefe dele. Em outras palavras, a atuação da alta direção é crítica porque é um exemplo a ser seguido.

A área de comunicação pode, portanto, estimular que a alta gestão esteja perto dos times, pode antecipar aos gestores comunicações críticas que serão feitas a todos os empregados para que o gestor não seja pego de surpresa, pode orientar novos gestores a terem um início de jornada bem-sucedido (chamamos isso de Plano de 100 dias, e normalmente é feito em parceria com a área de Recursos Humanos), e podemos sempre ajudar os gestores a desenvolverem mais sua competência de comunicação.

Acho importante também dizer algo em que eu não acredito: Comunicação não deveria usar o gestor como mero reprodutor de conteúdo, ou seja, mais um canal de comunicação. O gestor precisa entender o seu papel, ser ele mesmo e buscar as formas dele de se aproximar da equipe.

3. Quais resultados positivos a Votorantim Cimentos teve com a Comunicação de Liderança?

Nós estamos colhendo vários bons frutos por ter colocado o gestor no centro da nossa comunicação. Esses frutos estão vindos porque a área de Gente (RH em outras empresas) também é muito parceira e conversamos e criamos juntos oportunidades de os gestores desenvolverem a comunicação com seus times. A Bruna Lima escreveu sobre isso recentemente: http://www.comunicacaocomfuncionario.com.br/2016/12/14/votorantim-cimentos-o-lider-como-pilar-de-confianca/ .

O que marca a nossa atuação é que nós não controlamos as ações dos líderes com suas equipes. O que fazemos é estimular o comportamento, especialmente porque isso está conectado a uma das nossas crenças: diálogo aberto.

4. Qual ação de endomarketing vocês fizeram que teve mais sucesso?

Fazemos pouca ação de endomarketing na VC. Nossa ação hoje está muito conectada à comunicação de liderança e curadoria de conteúdo. O endomarketing acontece em ações pontuais para melhorar o ambiente de trabalho.

5. Conte um pouco para gente como funciona o COMVC.

O COMVC é um evento que já está na sua 40ª edição. É o momento em que a liderança fala de futuro e das prioridades de negócio, além de reconhecer pessoas e boas práticas, com base nas crenças, nos valores e no Propósito da cia. Nós fazemos a transmissão para todos os empregados do Brasil (cerca de 7 mil). Ele é itinerante – cada edição, que acontece a cada 3 meses, é realizada numa Unidade diferente. Outro ponto alto da empresa é a resposta às dúvidas e perguntas dos empregados. Na última edição, recebemos mais de 2o perguntas. As que não são respondidas durante o evento, por falta de tempo, são respondidas na intranet nos dez dias seguintes. O legal dessas perguntas é que não há qualquer tipo de filtro. O que chega é reproduzido do jeito que veio, pois acreditamos que não há pergunta difícil de responder. Transparência conecta as pessoas ao nosso compromisso de futuro e à forma como cuidamos das pessoas.

6. Como fazer Comunicação Interna para mais de mil funcionários? A Comunicação de Liderança pode dar o suporte necessário para o processo?

Tem seus desafios, rs. A necessidade das pessoas é única. Imagina na VC em que temos no Brasil, além do escritório central na Vila Olímpia, em São Paulo, 17 fábricas de cimento, 10 moagens, mais de 100 centrais de concreto, 18 unidades de agregados, 9 unidades de argamassas e 2 unidades de cal?

Claro que há coisas que precisamos garantir que TODOS saibam, pois são questões abrangentes sobre nossas práticas, cultura, valores e Propósito. Mas as pessoas também têm muito interesse sobre as questões que as envolvem diretamente (como o que é esperado do trabalho dela, questões da Unidade em que ela está, etc). Por isso, a comunicação também precisa cobrir essas questões e isso depende fundamentalmente do gestor e da gestão da Unidade em que a pessoa está.

7. Sabemos a dificuldade de os comunicadores de fazerem a gestão dos canais de CE (Comunicação com Empregados). Qual dica você daria para eles?

Processos e disciplina. Processo ajuda a entender gaps, aumentar a produtividade, a sermos mais criativos. Disciplina ajuda a criar uma rotina que não torne essa discussão chata ou pesada. Temos vários processos bacanas na VC:

  • Uma vez por semana o time faz reunião de pauta e direciona as ações das próximas duas semanas.
  • Toda segunda-feira fazemos o apanhado de tudo que vai acontecer na semana em 4 frentes diferentes: marca e propósito (marca corporativa também é minha responsabilidade na VC), conteúdo, veículos e liderança. Assim, toda a equipe tem a visão do todo.
  • Uma vez por semana também temos uma reunião de 1h onde olhamos as metas do ano e como estão caminhando, o que eu posso ajudar o time a “desembaraçar” coisas que importam, como podemos ser mais “imaginativas” com algumas questões, etc. Aqui, o olhar é mais estratégico e de alinhamento do que tático.
  • Uma vez por mês fazemos essa reunião de alinhamento com o time de Comunicação Externa.
  • Uma vez por semana também faço um alinhamento com a comunicação das demais regiões, uma vez que nossa atuação é global.

8. Qual critério deve ser utilizado para fazer a segmentação de conteúdo para os públicos internos da organização?

Isso depende muito de cada empresa. O ponto de partida para essa definição tem que ser a estratégia da empresa. A partir daí, pensamos que cultura queremos para entregar essa estratégia. Depois de discutir essas duas questões, pensamos qual o papel da liderança e da comunicação nisso tudo.

Aqui na VC definimos como conteúdo crítico aquilo ligado (1) às alavancas de negócio do ano, (2) valores, crenças e propósito (porque é aqui que fortalecemos cultura) e (3) segurança.

9. De que forma pode ser trabalhada as ações de responsabilidade social corporativa na CE?

De muitos jeitos. Compartilhar conteúdo relevante é uma forma. Permitir de alguma maneira que os empregados vivenciem o que a empresa faz é outra. Acho o assunto da mais alta importância e temos obrigação (moral, eu diria, rsrs) de contribuir para que todo mundo dentro de casa saiba, se orgulhe, cobre da empresa mais atuação (se for o caso) e se sinta corresponsável, uma vez que RSC não é só ação comunitária, mas tem tudo a ver com a forma como a empresa define fazer negócio. Tem a ver também com ética, com compliance, com responsabilidade ampliada por compartilhamento de valor.

10. Deixe uma mensagem para os apaixonados por Comunicação Interna e Endomarketing.

Oba! Então vai aqui uma apaixonada falando para outros apaixonados: eu acredito muito em comunicação com empregados (ou com colaboradores, funcionários, ou o nome que quisermos dar a eles). Com o tempo deixei de usar o termo comunicação interna porque é importante nominar o sujeito da relação: a gente precisa lembrar sempre para quem estamos falando, e lembrar que os empregados têm necessidades complexas. O ambiente de trabalho muitas vezes é marcado por muitas situações difíceis, de baixo respeito e compromisso, mas não tem que ser assim. A gente vai trabalhar todo dia para a gente se realizar, e colocar o melhor da gente naquilo que a gente acredita. Trabalhar com comunicação com empregados é ter parte ativa na construção de um bom ambiente de trabalho, de uma cultura organizacional que fortaleça a empresa e a ajude a entregar uma visão, um propósito. É criar espaço para exaltar o melhor das pessoas, do time, da empresa. Não quer dizer, nem de longe, deixar de olhar todos os problemas que existem. Mas fundamentalmente buscar boas formas de resolver tudo isso. Fazer comunicação com empregados é como contar a história das Mil e Uma Noites. A gente conta uma pequena história todos os dias para, num determinado momento, ter uma grande história para contar.

 

*Viviane Regina Mansi é Relações Públicas formada pela Cásper Líbero, pós-graduada em Liderança pela Fundação Dom Cabral e em Negócios pela Fundação Getúlio Vargas, e mestre em Comunicação pela Faculdade Cásper Líbero. Publica regularmente no LinkedIn. 

 

Tags
Continue lendo

JENIFER FERNANDES

É Relações-Públicas, já trabalhou com Assessoria de Imprensa e trabalha com Relacionamento Digital de grandes marcas. Gosta muito de Comunicação Interna e Endomarketing e quer desbravar essa área atualmente.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close